Perguntas feitas no Debate sobre crédito.

fotodebate1
No último Bota Pra Fazer Debates no dia 15 de abril, André Rezende, Fernando Blanco e Marcelo Nakagawa, foram nossos convidados para falar sobre crédito.
Durante o debate surgiram muitas perguntas.
Confira abaixo as respostas de um dos palestrantes o Marcelo Nakagawa.

Continue lendo

Estados ganham mais liberdade para apoiar as pequenas e médias empresas

Medidas do governo terão impactos no fluxo de caixa das PMEs, como crédito de ICMS para indústria

O governo federal está adotando medidas com relação ao ICMS (Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços), que é cobrado pelos estados e pelo Distrito Federal. Atualmente, a concessão de benefícios fiscais relativos a este imposto ou ao ISS (Imposto Sobre Serviço) é feita mediante deliberação unilateral do estado, do Distrito Federal ou do município concedente e pode ser realizada de modo diferenciado para cada ramo de atividade, dentro do que estabelece a Lei Geral da Micro e Pequena Empresa.
Na opinião do analista técnico de Políticas Públicas do Sebrae, André Spínola, com a aplicação dessa medida, os estados ganham mais autonomia. Continue lendo

Abertas inscrições para prêmio de empreendedorismo

Estão abertas as incrições para a 5° edição dos prêmios Santander de Empreendedorismo e de Ciência e Inovação. Os prêmios, uma parceria do Santander com o Universia Brasil, têm o intuito de estimular o empreendedorismo e a pesquisa científica no meio acadêmico, revelando novos talentos. As inscrições vão até o dia 23 de agosto e podem ser feitas pelo portal do Universia.

Para o Prêmio de Empreendedorismo, poderão se inscrever estudantes de graduação e pós graduação. O de Ciência e Inovação é destinado a pesquisadores-doutores. Os vencedores receberão R$ 50 mil para a viabilização do projeto, num total de R$ 400 mil em premiações. O orientador com maior número de projetos finalizados no Prêmio de Empreendedorismo irá receber uma bola de estudos para a Babson College, eleita, em 2008, a 10ª escola de negócios do mundo, pelo ranking do Financial Times. Além disso, todos os orientadores dos projetos vencedores do Prêmio de Empreendedorismo ganham um curso de espanhol.

A seleção e validação dos projetos de empreendedorismo estão sob a responsabilidade do professor e consultor Fernando Dolabela e do professor Afonso Cozzi, do Núcleo de Empreendedorismo da Fundação Dom Cabral.

FGV promove a ‘5ª Semana de Empreendedorismo’

Entre os dias 11 e 15 maio, será realizada pela Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getulio Vargas (FGVcenn) a 5ª Semana de Empreendedorismo. O evento é destinado a estudantes de administração e executivos interessados em novos negócios.

A Semana de Empreendedorismo reunirá especialistas de diversas áreas e palestrantes renomados vão apresentar cases de sucesso. Segundo Laura Pansarella, coordenadora do projeto, o evento foi criado para gerar discussões sobre o assunto. ‘Queremos despertar a visão empreendedora dos brasileiros, fomentar novos negócios e apoiar os já existentes, isto é, contribuir para o desenvolvimento econômico do país’, disse.

Empresários como Luciano Huck, Fábio Barbosa (presidente do Santander-Real) e David Neeleman (presidente da Azul) já confirmaram participação. As palestras são gratuitas e abertas ao público. Os interessados devem entrar em contato pelo e-mail cenn@fgv.br. As inscrições são limitadas.

Nova lei confere cidadania a empreendedor informal

A Lei do Microempreendedor Individual, que entra em vigor a partir de 1° de julho, é boa para empreendedores e governantes, defende o ministro José Pimentel.

Um dos principais defensores da Lei do Microempreendedor Individual (MEI) na Câmara dos Deputados e também à frente do Ministério da Previdência, o ministro José Pimentel garante: o MEI é bom para empreendedores e governantes.

Por que um informal deve aderir ao MEI?
Ministro – A primeira vantagem é que ele e sua família passam a ser protegidos pela Previdência Social. Além de formalizar o negócio com isenção dos impostos federais, terá direito à aposentadoria, salário-maternidade, auxílio-doença, aposentadoria por invalidez, e, se falecer, a família terá direito à pensão por morte. Continue lendo

Este é um bom momento para abrir um negócio?

Por Jack Welch

jack_welchO quê? Será que lemos direito? Se for isso mesmo, obrigado. Em meio à avalanche de e-mails que temos recebido ultimamente de gente se sentindo em pânico, irada e/ou deprimida por causa da economia e do que ela tem feito à sua carreira, sua pergunta tão objetiva foi uma agradável surpresa.

Foi também uma ótima oportunidade para que nos déssemos conta de que, sem dúvida, este seria um momento excelente para abrir um negócio. Na verdade, há pelo menos quatro razões muito fortes para isso, mas só se o negócio que você está pensando em abrir for aprovado no teste mais importante de todos: o de vender mais por menos.

Não estamos falando aqui de vender apenas um pouco mais por um pouco só a menos. Em tempos de recessão, nenhuma empresa nova terá grandes chances de sucesso, a não ser que trabalhe com uma proposição de valor nitidamente superior às disponíveis no mercado. É verdade que até pouco tempo atrás era possível pegar um produto ou serviço do concorrente, modificá-lo ligeiramente ou introduzir um ou dois recursos novos e convencer os clientes a pagar mais por ele. Mas hoje todo mundo está na defensiva e os dias de vendas com margens gordas se foram – e é provável que a situação persista por um bom tempo. Portanto, se você é um empreendedor cujo produto ou serviço irá melhorar de fato a vida das pessoas – a um custo significativamente mais baixo do que o da concorrência -, saiba por que talvez este seja o momento certo de levar sua ideia adiante.

fonte: Portal EXAME

Dez coisas que uma empresa não deve fazer na crise

Em momentos de crise, bom saber o que não fazer e assim evitar prejuízos ainda maiores. Para ajudá-lo, a escola de negócios espanhola Centro de Estudos Financeiros (CEF) publicou uma lista com as dez coisas que as empresas não devem fazer em época de crise. Dê uma olhada.

1) Negar o impacto da crise: Mesmo se a sua empresa parece não estar sendo afetada pela crise financeira mundial, fique atento. Ainda que a crise passe apenas por áreas secundárias do negócio, é provável que ela atinja todas as empresas. Continue lendo